The Emperor of Bahia, The King of Brazil, Or You Can Just Call Hi

    The Emperor
of Bahia,
The King
of Brazil,
Or You Can
Just Call Him
God

    The speech
    in its entirety,
    in Portuguese:
    By Alessandra Dalevi

    Twice this doctor was governor of Bahia, for three times he was a House representative
    (58, 62, 66). He was also mayor of Salvador (capital of Bahia), Communications minister,
    and has been the president of the senate in the last two legislatures. At age 72, Antônio
    Carlos Peixoto de Magalhães, is the most powerful man in the Brazilian Republic, even
    more powerful than President Fernando Henrique Cardoso, according to many.

    His foes call him Toninho Malvadeza (Heartless Tony), for his admirers he is God on
    earth. He makes new friends as easy as he makes enemies, and his friends today might
    easily be his foes tomorrow. ACM—the initials of Antônio Carlos Magalhães—as
    he is often called, doesn’t seem to care. He hits hard and is far from being a diplomat,
    always personally attacking and threatening those who dare cross him. And there is no day
    that goes by without him being mentioned in the media. All he does becomes news. He seems
    to thrive in polemics.

    President is the only title he does not have in his political curriculum, but this
    could change soon. The senator has not yet admitted that he is going to seek the
    presidency in the coming 2002 presidential election, but many in Brazil believe that he
    will and Baianos (those from his home state Bahia) are sure of that. The man who is
    received as a king when he visits Bahia back from Brasília is already being hailed as the
    next Brazilian president.

    At the end of May, Magalhães talked about his interest in becoming a presidential
    candidate: "Evidently I am not going to tell that I would not like to be a candidate.
    But I am very realistic and a pragmatist. I will only do this at the proper moment and if
    this is convenient." He seems to think that 2002 is way too far, but for others all
    his recent moves don’t leave any doubt that he will be going for the grand prize.

    On a recent trip to Salvador—capital of Bahia—Magalhães was enthusiastically
    received with bands, celebratory speeches, and chants of "Hei, hei, hei, ACM é
    nosso rei." (Hey, hey, hey, ACM is our king.) Together with governor César
    Borges—both are from the PFL (Partido da Frente Liberal—Liberal Front
    Party)—he launched an educational program called Educar para Vencer (Educate to Win).

    The senator used the occasion to criticize Horácio Lafer Piva, the president of FIESP
    (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo—São Paulo State Industry
    Federation), one of the few in Brazil who opposed ACM’s just-announced proposal to
    eradicate poverty in the country. Relishing the adulation he rebuffed Piva by telling the
    crowd, "This is a kind of seal of approval since we have here a man who is not
    popular at all." He also guaranteed that his party will not stop backing the
    government "and for the additional reason that the government’s popularity situation
    is not good."

    ACM’s own popularity could not be better. His recent bill proposal to end abject
    poverty in Brazil after being initially ridiculed was backed and adopted by the right, the
    center, and the left, all afraid of being buried under de dust raised by the cunning
    senator. The initial skepticism and criticism turned into praise after a two-week
    strategic retirement Magalhães took to put his ideas together.

    It took a little more than one hour in a speech to the senate for ACM to present his
    vision to the nation and turn around his detractors. (You can read ACM’s entire speech, in
    Portuguese, in our site: https://www.brazzil.com/cvrjul99.htm
    ) Filled with citations, demagoguery, and jabs at his foes, the speech was interrupted
    several times by applause. The Brasília daily Correio Braziliense compared
    Magalhães to the Apostle Paul, who from a persecutor of Christianity, according to the
    Bible, became its main proselytizer after his vision of God on his way to Damascus.

    It was typical ACM. The senator, who is in a fight against some of the ministers of the
    current administration, started the speech with the invocation: "O Lord, make that my
    enemies become ridiculous." He was repeating the French writer, philosopher, and
    freethinking advocate Voltaire (1694-1778).

    Besides bringing up Voltaire, ACM also cited late popular rock songwriter Raul Seixas
    borrowing his verses "I have a lot of things to conquer. I can’t just stay quiet
    here," to express his own sense of urgency. He even praised the "ironic, humane,
    and exemplary poetry" of composer Chico Buarque, an intellectual in the left and one
    of the main supporters of the leftist PT (Partido dos Trabalhadores—Workers’ Party).

    Among the supporters he won after his address there was the leadership of the main
    parties of the opposition, PT and PDT (Partido Democrático Trabalhista—Workers’
    Democratic Party). Centrists PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro—Party
    of the Brazilian Democratic Movement) and President Cardoso’s party, the PSDB (Partido
    da Social Democracia Brasileira—Brazilian Social Democracy Party) also backed his
    project to eradicate misery.

    He almost got a unanimous vote of confidence. Thanks to all this backing, the
    conservative senator should be able to have his bill approved fast, quite differently from
    other similar projects dealing with poverty—including one by then senator Fernando
    Henrique Cardoso—that have dragged in the legislature for years or even more than a
    decade. Carlistas, as ACM’s followers are sometimes referred to, naturally exulted.

    A special senate commission will be analyzing for three months ACM’s proposal and
    dozens of others dealing with the fight against misery. Suddenly the subject became
    priority burying other pressing subjects that would have been discussed if it weren’t for
    the senator’s seizing of the legislative agenda.

    By Decree
    If Needed

    Similar to what Bill Clinton did in the US using Republican ideas as his own, ACM
    emptied the left by stealing their thunder and their claim of being the sole defenders of
    the poor. Suddenly, in a brusque shift, the senator was attacking Finance Minister, Pedro
    Malan, who has been an ACM’s protégé, but dared to defy him, criticizing his fight
    against poverty fund and the idea to use tax increases and budgetary changes to raise the
    needed money.

    To Malan’s declaration that "we do not solve this kind of matters just by
    decree", ACM responded: "Mister Minister, we will do it by decree if needed.
    This has to be solved. It does not matter what you wish. By the way, to evaluate the
    poverty situation I would ask my friend minister Malan whether, in five years of
    government, he received a poor man, just once, in his cabinet? I am sure he did not. And
    let me add this, how many went to your cabinet to talk about getting richer, forgotten
    about the obligation of reducing the poverty?"

    The First Lady Ruth Cardoso’s project Programa Comunidade Solidária (Solidary
    Community Program) was spared from his diatribe though. He mentioned her work as done
    "with seriousness and without politicking."

    In his proposal to amend the constitution creating a Fund for the Eradication of
    Poverty, ACM gave up his initial idea of taxing wage earners and small and medium
    businesses. Instead, resources for the fund will come from a "progressive social
    contribution" from companies making at least $500,000 a month with up to $100,000
    being deductible from the income tax.

    "We have a GDP of $784 billion and a per capita income of $6,400, superior to the
    $6,300 world average, but our improvements in the social area have been insufficient to
    fight poverty," said the senator, citing statistics about the huge gap between the
    rich and the poor: "The poorest 20% enjoy only 2.5% of the wealth, while the richest
    20% gobble up 63.4% of it." According to the senator, more than 40 million Brazilians
    are in a "miserableness situation that put us to shame and waters down the good
    results of the economic policy."

    The Next
    President

    ACM’s goal, he says, is to eradicate poverty in Brazil in ten years promoting a
    transference of wealth that will narrow the huge gap between the haves and have-nots. The
    fund should collect from $3 to $4 billion a year. And he added, "May all be analyzed
    without prejudices. I don’t insist on being the author of this proposal. I wish all
    parties contributed to it. I reaffirm that in no way did I have the intention of making
    this proposal a finished work."

    Magalhães criticized the government’s thesis that you can only fight poverty with
    economical growth, citing UN statistics that in 174 countries "the economic growth,
    by itself, did not improve life quality of people." To those who questioned his
    intentions he said, "I don’t intend to be a presidential candidate, but to come back
    to the senate."

    After listening to the senator, Roberto Uzeda, the leader of Rio’s Federation of
    Favelas (Shantytowns) Associations, declared enthusiastically: "If this bill passes,
    ACM will be the next President."

    The left rejoiced when Magalhães praised the educational program Bolsa-Escola from
    Brasília’s former governor Cristovam Buarque and the Campaign Against Hunger created by
    late sociologist Herbert de Souza, better known as Betinho.

    Marina Silva, the PT leader in the senate, was euphoric and it was hers the promptly
    accepted proposal to create a mixed commission to put forward the project. "It was
    necessary for someone from the government basis to assume that the social policy of the
    government is timid." Another legislator from the PT, José Eduardo Dutra, also had
    praise for ACM and reminded the senators of the song "Metamorfose Ambulante"
    (Walking Metamorphosis) from Raul Seixas to explain how Magalhães had become the leader
    of the fight against misery after participating in so many conservative governments.
    "Maybe his self-criticism," he said, "can be explained by the finding that
    it is better to be a walking metamorphosis than to have that old preconceived opinion
    about everything."

    The only dissonant voice in the senate after ACM’s speech was that of Roberto Freire,
    president of the PPS (Partido Popular Socialista—People’s Socialist Party), Roberto
    Freire. "We do not eradicate poverty with compensatory policies. Your Excellency
    knows well the problem since you have participated in all the governments that didn’t
    solve the misery problem."

    The senator’s charisma was evident when he left the Senate after the speech. Surrounded
    by a group from Rio that had come to Brasília to try to get back the jobs they lost at
    the Fundação Nacional de Saúde (Health National Foundation) and that shouted,
    "Intercede for us," he answered: "I obtained assurances from President
    Fernando Henrique that there will be a fast solution for your case." His words were
    greeted with applause and tears.

    For José Genoíno, the PT’s House leader, the senator’s proposal reveals the
    incompetence of the Brazilian left and Magalhães’s genius. "We have always talked
    about the things he is saying now. There was no repercussion because he is much stronger
    with the media. He recognizes that the left is right. ACM is the competent right."

    Now, I Am Two

    When Magalhães’s favorite son and rising political star in the House of
    Representatives died in April 1998 of a sudden heart attack, the senator was so visibly
    shocked that some analysts wondered if that did not mean the end of his political career.
    There were insistent rumors that he would step down from his post and abandon politics for
    good. ACM was in such a state of shock that a friend commented, "Before Antônio
    Carlos can recover to politics he needs to recover to life." The man depicted as a
    heartless politician was seen crying in public and before the TV cameras again and again.

    At that time, while waiting in line to take a last look at Luís Eduardo’s body,
    homemaker Edna Araújo Sales told reporters, "I am gonna pray for the senator to be
    healthy, if not, the state of Bahia ends. It was a huge loss for Bahia. Luís Eduardo was
    our future president." This statement from a modest citizen seems to still represent
    the prevalent mood and faith of the Baiano population.

    Luís Eduardo, 43, an apparently healthful man, was being nurtured to become the
    president, an ambition that the senator had transferred to the son. According to the
    script—something that only death, as it happened, could change—the young
    Magalhães should have been elected governor of Bahia in the October 1998 election by a
    portentous landslide as a preparation for the 2002 presidential election.

    Upon returning to Brasília after his son’s death, ACM declared, "I am feeling a
    little bigger because I am two: I am myself and I am part of him, because he would like
    for me to be here." To a friend who asked later why he did not want to dispute the
    Bahia governorship himself, ACM answered: "I don’t want to. I am trying to find out
    what Luís Eduardo would like for me to do."

    His recovery was also quick when his daughter died under tragic circumstances. In eight
    days he was back as his post as Communications Minister of the José Sarney’s
    administration (1985-1990) .

    After reading the most news he could about his son’s death, the old Magalhães
    complained that many papers had written that Luís Eduardo followed his lead. "This
    is a mistake," the senator said. "I did not maneuver Luís Eduardo. He was the
    one who did it. He helped me to change my ideas. I, for example, used to be was a staunch
    defender of the state."

    ACM and Luís Eduardo had become complementary. Why the older one was a conservative,
    the younger was a moderate liberal. Luís Eduardo was many things his father was not,
    including an excellent negotiator, a charming man capable of listening to the other side
    and to get a no or two along the way without seeing red.

    May God
    Incinerate Me

    ACM’s power and self-assuredness are legendary. In 1982, a few days before the
    election, a helicopter accident took off the life of Clériston de Andrade, the man ACM
    had handpicked to succeed him as governor of Bahia. They were old allies and good friends.
    Recovered from the blow in a few days, Magalhães chose João Durval to take the place of
    the dead.

    "I elect whomever I want," he told at that time in an interview with Rio’s
    daily Jornal do Brasil. These and other similar phrases are constantly replayed by
    friends and foes as a proof of power for the former and of prepotency by the latter. In
    that same interview ACM said that he governs with a whip in one hand and a moneybag in the
    other.

    Former Finance minister Ciro Gomes thus described Magalhães in his book No País
    dos Conflitos (In the Country of Conflicts): "He draws mortal hatreds because he
    has a flaw, he is extremely authoritarian. He wants to squash criticism, he doesn’t accept
    living with those who disagree with him."

    ACM knows how to capture and audience. "I live in the intimacy of those who are
    the poorest," he says. "I don’t frequent the homes of the rich. I swear we are
    going to fight. I swear that I will not fail. If I fail, I ask God to incinerate me in the
    eve. The moment of action has arrived. Don’t ask me why. What I do not want is to put off
    this fight for tomorrow. Our crusade is this: to end, if possible, to diminish for sure
    this suffering imposed to our people, not for charity, but for obligation."

    And he adds: "Despite the poverty in which millions of Brazilians live, we have
    exceptional conditions to promote a great self-help work collective that, above any
    ideology or lesser interests, will take us to lasting changes."

    Many people, however, will never forget the senator’s alignment with the military
    dictatorship, which lasted from 1964 to 1985, during most of the time they remained in
    power. He started his defense of the military making speeches in the House of
    Representatives in their favor. The opposition to them only started during the general
    João Baptista Figueiredo administration, which lasted from 1979 to 1985.

    After in 1984 backing Tancredo Neves for the presidency instead of Paulo Maluf, the man
    favored by the military, Magalhães was called traitor by then Air Force Minister Délio
    Jardim de Mattos. His answer: "Traitor is whoever supports someone corrupt."
    This opposition, however, didn’t prevent him from later forging political alliances with
    Maluf.

    During the Collor de Mello administration (1990-1992), after a brief period in which he
    became opposition, ACM maintained his support to the President even after he had fallen in
    disgrace and was impeached by congress. While his enemies use this episode to diminish
    him, Magalhães presents it as proof that he is a faithful friend who does not abandon
    friends in need. "The best proof of dignity that I have given was to stay with Collor
    when I knew he was defeated," he says. The senator has been a similar argument today
    when people ask if he is going to abandon the government’s ship. "Not now, with the
    falling popularity of the President," he explains.

    Worried with the insistent rumors that he bosses the President around, Magalhães, who
    calls this an "unfair impression," announced recently that he was going to
    maintain his distance from Cardoso. To the criticism of President Cardoso who said that
    while presenting a project to end poverty in the nation was not able to solve the problem
    in his own Bahia when he was governor there, ACM retorted: "I did not reduce poverty
    in Bahia because I am not president."

    Short Fuse

    Magalhães, who does not take a no for an answer, seems to get whatever he wants these
    days. He owns a media empire that include a TV station (TV Bahia) and the daily Correio
    da Bahia, which the senator started in January 1979. One of his most glaring victories
    was to recently get Ford to install its new factory in Bahia, something many other states
    were interested in. For that, he needed the help of the President who had to sign some
    executive measures granting privileges to the American automaker.

    ACM has become famous for his verbal intemperance. Among those who were hit by his
    verbal machinegun was senator Teotônio Vilela Filho from the President’s party. He was
    called incompetent. Against a group that opposed the end of the state oil monopoly he
    shouted, "Scum." A woman college professor who called him filho da puta
    (son of a whore), arguably the most offensive insult in Brazil, had to hear the senator
    repeatedly calling her filha da puta. In 1996 he called brigadier general Ivan
    Frota "a scoundrel and incompetent." To senator Paul Simon, who dared
    criticizing him, he answered: "He is envious, slanderer and abnormal", adding
    defiantly: "Go to my cabinet later and I will break your face." Senator Ney
    Suassuna was called a "thief" by ACM while he screamed and tried to punch the
    legislator.

    There was in mid-June a sharp exchange of insults between ACM and the speaker of the
    House, Michel Temer. Since both are from parties that make the pro-government coalition,
    the spat forced the intervention of President Cardoso to calm the spirits down. The fight
    started when Magalhães criticized Temer for moving in on the inquiry of the Judiciary
    that the Baiano senator had started. "Worrying about moral matters was never
    Michel Temer’s strong point," he said. To which Temer replied, "When it comes to
    morality, I have Antônio Carlos beat 10 to nothing."

    But he has also his kind side and love the adulation of the crowd. Wherever he goes in
    Bahia he is recognized by old and young and he sometimes just stops the car in the middle
    of a trip to put his popularity to the test. Often people in the streets gather around him
    asking for autographs.

    Antônio Carlos Magalhães Júnior, the senator’s eldest son did not get the political
    bug as his brother. He is the one who manages the family business and he is also the
    alternate for his father in the senate. But there’s already a third Magalhães generation
    taking to the political stage. He is 18, a law student, and is called, what else, Antônio
    Carlos Magalhães Neto. The grandson of ACM and nephew of Luís Eduardo made his political
    speech debut last year in August, during an appearance by President Cardoso in Bahia.

    He asked the President for social justice and resources so that "poorer youngsters
    can have access to education and work." Magalhães Neto is part of the movement PFL’s
    Young Power. His way of talking and his intonation are very similar to that of his dead
    uncle. Listening to the grandson talking in public ACM once again succumbed to the
    emotions and cried. Luís Eduardo Magalhães Júnior, 16, the son of the dead house
    representative also seems interested in following on the famous grandfather’s footsteps.

    Legends
    and Jokes

    PT’s national president José Dirceu accused ACM of acting like "a shadow of the
    Republic" and of considering himself "above the law and the Constitution, as if
    he wanted to restore the moderator power of the Brazilian emperors." Dirceu was
    commenting on the fights ACM picked up recently against Carlos Velloso, the president of
    the Supreme Court, and representative Michel Temer, president of the House, when in a
    25-line note, he wrote: "It’s evident the lack of moral authority of Mr. Antônio
    Carlos Magalhães, who served the military dictatorship and the Collor government, to
    criticize citizens who served or were appointed by those administrations."

    And he added: "This is what the whole country is asking: how is it possible and
    who would be interested in so many crises created by Mr. Antônio Carlos Magalhães?"
    Dirceu answered his own question: "It’s evident that, since Mr. ACM is not unstable,
    he only wishes to destabilize the country to reach his goal of controlling all the
    power." From Paris where he was vacationing Magalhães dismissed the criticism as
    "a jealousy crisis."

    In June 1998, while flying from Cuba to Africa, Fidel Castro made a technical stopover
    in Salvador to pay a three-hour visit to senator Antônio Carlos. The man who many
    leftists see as the right’s great Satan prepared special Baiano meals for his guest
    and they posed for happy-face pictures after the meeting-cum-eating. The Comandante’s
    coziness enraged the left, which was able to get a mere 20 minutes with Castro. One of
    those admitted to the meeting (Fidel did not allow pictures to be taken here) told the
    Cuban leader: "You made a serious booboo, Mr. President."

    This is a joke that friends of ACM like to tell. President Fernando Henrique Cardoso,
    senator Antônio Carlos Magalhães, soccer hero Ronaldinho, and a hippie called Raul are
    all in a little jet crossing Brazil. Suddenly there is an explosion and while the smoke
    starts to fill up the cabin, the pilot shows up and announces: "Gentlemen, we have
    but a few minutes before the plane crashes. There are four parachutes and I am taking one.
    Farewell." And he jumps. Ronaldinho fast gets hold of one of he parachutes arguing,
    "The world needs great athletes and I am one of the best. Good bye." And he
    jumps.

    Fernando Henrique grabs another parachute and makes his own little speech, "I am
    the smartest politician in Brazil. Nobody else but me was able to get reelected president.
    Brazil needs smart politicians. Farewell." And he jumps. Then, ACM turns to Raul, the
    hippie, and tells him affectionately: "My son, take the last parachute. It’s yours. I
    don’t need it. I have lived my life, I am a celebrated politician and will enter history
    as the man who ended poverty in Brazil." To what Raul replies, "Stay cool,
    senator. The smartest politician of Brazil has just jumped with my backpack."

    There is a message circulating in the Internet about what many Brazilian celebrities
    think. The message reads in part: "Cardoso thinks he is the President. TV host Hebe
    thinks she is Carioca. Tiazinha simply doesn’t think. Luciano Huck thinks he is
    Walt Disney. Ronaldinho thinks he is number 1. Caetano thinks he is God. ACM is sure about
    that."

    The speech
    in its entirety,
    in Portuguese:

    Discurso do Senador Antônio Carlos Magalhães encaminhando a Proposta de Emenda à
    Constituição introduzindo artigos que criam o Fundo de Combate e Erradicação da
    Pobreza

    Senhor Presidente,

    Senhoras e Senhores Senadores:

    "Uma única oração dirigi a Deus, nos últimos tempos, e muito curta: Ó Senhor,
    faze com que meus inimigos se tornem ridículos." (Voltaire)

    E Deus me tem atendido.

    Como cantou o genial Raul Seixas, eu poderia atualizar seus versos dizendo que, "Eu
    devia estar contente porque tenho um emprego, sou um dito cidadão respeitável e ganho
    sete mil reais por mês. Eu devia agradecer ao Senhor por ter sucesso na vida como
    político. Eu devia estar alegre e satisfeito por morar em Salvador, na minha amada
    Bahia."

    Mas não. Ainda com Raul Seixas, eu digo: "Eu tenho uma porção de grandes
    coisas para conquistar. Eu não posso ficar aí parado"

    Ao longo da minha atuação política, vejo-me algumas vezes apontado como responsável
    por debates de larga ressonância, embora sob o descrédito de alguns que teimam em
    subestimar aquilo que acredito ser verdade cristalina.

    Limitando-me ao passado recente, permito-me lembrar a CPI do Judiciário, que já
    produziu resultados positivos mesmo estando ainda inconclusos os seus trabalhos.

    Relativamente às apurações procedidas nas obras realizadas no TRT de São Paulo, o
    Tribunal de Contas da União condenou, inicialmente, os responsáveis a devolver aos
    cofres públicos a quantia de 167 milhões de reais.

    Em Pinhalzinho, José Virgílio Fraga dos Santos devia 370 Cruzados Novos ao Banespa,
    em dezembro de 87. Processado, pelos cálculos das sucessivas sentenças judiciais, teria
    que pagar, hoje, mais de um trilhão de reais. O fato foi denunciado à CPI. A TV
    Globo apurou e fez ampla reportagem a respeito. E o Banco reduziu a dívida para 45 mil
    reais. Absurdos como este existem, e muitos, mas a CPI não pôde entrar no mérito de
    sentenças judiciais.

    Casos de destituição de pátrio poder ocorridos em São Paulo, que chocaram a
    população, foram solucionados pela Justiça, que determinou a devolução de crianças a
    suas famílias.

    Em Brasília, um processo de inventário que levou o único herdeiro, uma criança, a
    propor diversas ações contra atos autorizativos de venda de seu patrimônio, teve
    decisão da Justiça local determinando a anulação da venda do principal bem do
    espólio.

    Tenho informações de advogados e juízes segundo as quais processos paralisados há
    anos, alguns sem sequer distribuição, começaram a andar celeremente e muitos já foram
    julgados.

    Não se aprofundou mais na apuração de denúncias contra Tribunais, por uma pretensa
    ordem legal que impede que se investiguem mazelas ainda maiores do que as que já foram
    levadas ao conhecimento público.

    O Brasil viu e ouviu estarrecido, há 48 horas, as incríveis acusações de um juiz a
    desembargadores do Tribunal de Justiça do Mato Grosso que, além do escândalo de
    nomearem incorretamente dezenas e dezenas de parentes para o Tribunal, não se contentaram
    e promoveram a venda de sentenças em julgamentos ali processados.

    Além dessa denúncia, milhares de outras chegaram ao nosso conhecimento e, como não
    houve tempo de apurá-las, faremos com que sejam publicadas como parte integrante do
    relatório final da CPI e encaminhadas aos órgãos competentes para as providências
    cabíveis. Assim, estaremos dando uma satisfação àqueles que as enviaram e à sociedade
    como um todo.

    Poderia aqui elencar dezenas de outros efeitos da criação da Comissão, mas
    restrinjo-me a acrescentar apenas um, por nos envolver mais diretamente como responsáveis
    pelas mudanças a serem alcançadas nessa área: a Reforma do Judiciário, cuja
    tramitação foi iniciada pela Câmara dos Deputados.

    Agora, levanto a discussão do combate à pobreza. Sei que não estou inovando. A
    miséria de grande parte do nosso povo é secular. De fato, a própria Constituição, em
    seu art. 3º, diz que um dos quatro objetivos fundamentais da República Federativa do
    Brasil é:

    " erradicar a pobreza e a marginalização, e reduzir as desigualdades sociais
    e regionais."

    Propomos, para debate, a criação de um Fundo específico para viabilizar ações
    tendentes a erradicar a pobreza em nosso País. Os nobres Pares, como de resto toda a
    classe política e a sociedade brasileira, estarão a indagar o porquê dessa iniciativa e
    o motivo pelo qual ela se dá neste exato momento.

    Impõe-se admitir, de início, que toda hora é adequada a iniciativas que envolvam
    este tema, especialmente quando a pobreza alcança patamares tão elevados que constrangem
    os cidadãos, de maneira geral, e, particularmente, os homens públicos, sobre os quais
    pesa grave responsabilidade pelos destinos da Nação.

    Quanto aos motivos que me levam a propor essa tarefa e esse propósito, eles falam por
    si, pois que manifestamente explicitados pela mídia e testemunhados pelo mais desatento
    cidadão na sua vida cotidiana.

    Refiro-me ao sofrimento diariamente infligido a 40 milhões de brasileiros por uma
    situação de miserabilidade que nos envergonha e que deslustra os resultados de uma
    política econômica que tem sido conduzida com austeridade e competência.

    A existência de 40 milhões de irmãos nossos vivendo em condições de absoluta
    pobreza é especialmente frustrante se levarmos em conta que o Brasil não é um país
    pobre; que nos situamos entre as dez nações com maior Produto Interno Bruto do planeta.

    Temos um parque industrial diversificado e uma economia estável; poucas nações
    rivalizam com a nossa no que respeita às riquezas naturais; e, principalmente, nossa
    economia tem crescido de forma regular e contínua, sem, contudo, melhorar
    satisfatoriamente os indicadores sociais. Infeliz contraponto aos nossos êxitos na área
    econômica, o Índice de Gini obtido pelo Brasil, de 0,59, atesta uma das piores
    concentrações de renda do planeta.

    Senhoras e senhores, chegou o momento de agir. Não me perguntem por que. O que não
    quero é que seja amanhã.

    Será possível alguém ficar insensível às pessoas que dormem embaixo de viadutos,
    nas calçadas, com frio e sem agasalho, com fome e sem a perspectiva de alimento?

    Com o desemprego que leva ao desespero e ao crime que confrange os que vêem, mas cuja
    situação não é mudada nem mesmo pelo medo do que poderá acontecer com o faminto, com
    o miserável diante da recusa, e mais do que isso, da ostentação dos que, consciente ou
    inconscientemente, não se aterrorizam com o quadro?

    Isso existe no meu Nordeste, na minha terra, mas também no Sudeste, pretensamente
    rico, mas pouco solidário com os pobres. A nossa cruzada é essa: acabar, se possível;
    diminuir com certeza, esse sofrimento imposto à nossa gente, não por caridade, mas por
    obrigação.

    E não foi sem razão que um Padre, no domingo passado, na Igreja de São Judas Tadeu,
    em São Paulo, assim se referiu no Ato Penitencial:

    "Irmãos e irmãs, a fome existente, hoje, no mundo, é uma vergonha e é uma
    afronta a Deus, que enviou seu Filho ao mundo para que "todos tenham vida e vida em
    abundância". Como alguém pode ter vida sem ter o que comer? Diante deste pecado
    roguemos a Deus seu perdão e sua misericórdia."

    A proposta pretende, por meio de transferência da renda e de outras providências,
    minimizar esse cenário de dantescas contradições.

    Vemos, de um lado, o Brasil, com moeda estável, inserindo-se na modernidade,
    avançando na tecnologia, adequando-se ao irreversível processo de globalização e
    tornando-se competitivo para garantir seu lugar entre as nações mais desenvolvidas. De
    outro, temos grandes camadas do povo brasileiro famintas, sem escola, e com precário ou
    nenhum atendimento médico, vítimas de uma calamitosa desigualdade. Enfim, sem nenhuma
    esperança.

    Quero ressaltar que o Presidente Fernando Henrique Cardoso tem manifestado uma
    constante preocupação com a pobreza e tomado providências no sentido de reduzi-la. Em
    outubro de 1998, em Portugal, na 8ª Reunião da Cúpula Ibero-Americana, S.Exa. sugeriu o
    estabelecimento de uma taxa sobre os fluxos de capital de curto prazo tal como proposta
    pelo economista James Tobin. Essa taxa seria cobrada de todo o movimento de capitais que
    ultrapassasse fronteiras, o que corresponde a um fluxo hoje avaliado em cerca de 1
    trilhão e 200 bilhões de dólares/dia.

    Uma parte seria utilizada para a criação de um fundo de estabilização eventualmente
    à disposição do Fundo Monetário Internacional e outra poderia ser destinada ao Banco
    Mundial para programas de combate à pobreza.

    Interessante lembrar que nos Estados Unidos, a nação mais rica e poderosa do mundo e
    que atravessa uma fase excepcional de desenvolvimento econômico, o governador George
    Bush, candidato à presidência pelo Partido Republicano, anunciou que, se eleito, criará
    um Fundo de Combate à Pobreza, para o qual prevê bilhões de dólares.

    Não pretendo ser candidato à presidência da República e sim ao Senado. Dou esse
    exemplo para mostrar que a preocupação com a pobreza está presente, também, na
    consciência de pessoas responsáveis nos países ricos. A proposta que cria o Fundo de
    Combate e Erradicação da Pobreza coincide com a divulgação do Relatório sobre
    o Desenvolvimento Humano, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o
    Desenvolvimento—PNUD.

    No relatório deste ano, que reflete os dados colhidos em 1997, em 174 países, o PNUD
    observa que o crescimento econômico, por si, não melhora a qualidade de vida das
    pessoas.
    Que a desigualdade de acessos à educação, à saúde e ao atendimento das demais
    necessidades básicas dos indivíduos ocorre mesmo nos países considerados desenvolvidos;
    Que a concentração de renda tem crescido em todo o mundo;
    E que a globalização põe à mostra o aumento das desigualdades, o que levou o
    Presidente Fernando Henrique a criticar, com toda razão, o perfil assimétrico desse
    processo de integração na economia mundial que, até agora, tem beneficiado poucos, em
    detrimento da grande maioria.

    É forçoso reconhecer, e assim procede o PNUD, que os indicadores sociais, seja em
    decorrência de políticas públicas, seja em razão dos avanços tecnológicos,
    apresentaram sensíveis melhoras nas últimas décadas. O que nos angustia é saber que a
    produção de riquezas não se fez acompanhar, na mesma proporção, de melhorias na
    qualidade de vida para as grandes camadas populacionais.

    No caso brasileiro, particularmente, aflige-nos constatar que, detentores de um Produto
    Interno Bruto de 784 bilhões de dólares e de uma renda per capita de 6 mil 480
    dólares—superior, portanto, à média mundial, de 6 mil 332 dólares—nossas
    melhorias na área social têm sido insuficientes no combate à pobreza.

    Sei do interesse das autoridades brasileiras em resolver o assunto, neste e em outros
    Governos. Há avanços? Sim. Mas, em relação à pobreza, muito pequenos. No relatório
    do PNUD, por mera questão metodológica, nossa classificação relativa aos Índices de
    Desenvolvimento Humano despencou da sexagésima-segunda posição para a
    septuagésima-nona.

    Na verdade, nossas condições sociais não pioraram, mas apresentaram pequena
    evolução. O analfabetismo adulto decresceu de 16,7% para 16%; e as taxas de matrícula
    aumentaram de 72% para 80%, revelando aí, sem dúvida, o efeito dos notáveis esforços
    empreendidos nessa área pelo Governo Fernando Henrique.

    No setor saúde, o critério básico observado pelo PNUD—expectativa de
    vida—apresentou ligeira melhoria, com o aumento de 66,6 para 66,8 anos. Esse
    acréscimo de tempo à vida média do brasileiro, reconheçamos, foi pouco, especialmente
    se considerarmos as inovações tecnológicas que se vêm sucedendo na área médica.
    Finalmente, a renda per capita, de 6.480 dólares, foi a sexagésima-terceira dos
    174 países pesquisados.

    É lícito concluir, Senhoras e Senhores Senadores, que essa renda, somada ao potencial
    de nossas riquezas naturais e à pujança de nossa força de trabalho, nos permitiria
    ostentar invejável posição na classificação do PNUD—o que não acontece, entre
    outras razões, pela concentração da renda. Bastando dizer que os 20% mais pobres da
    nossa população, usufruem de apenas 2,5% da nossa riqueza, enquanto os 20% mais ricos
    abocanham 63,4% dela.

    Essa situação de desigualdade, vale observar, dá-se setorial e regionalmente, o que
    acentua ainda mais o modelo concentrador de renda. O pesquisador Antônio Vieira dos
    Santos, em estudo que tomou por base o relatório anterior do PNUD, constatou que os
    valores do IDH eram decrescentes à medida em que se deixava o Sul do País em direção
    aos estados nordestinos. Polarizavam, assim, o Rio Grande do Sul, com o índice de 0,871,
    e a Paraíba, com 0,466.

    Registrou o pesquisador que o quadro de desigualdades se agravava com a existência de
    outros fatores agregados à definição de pobreza, com preponderância dos fatores
    gênero e raça. Ao mesmo tempo, chamava a atenção o fato de a pobreza se concentrar nos
    grandes aglomerados urbanos, ao contrário do que ocorria há algumas décadas, como
    conseqüência do processo de industrialização e do êxodo rural. Na região
    metropolitana de São Paulo, em que pese a forte economia daquela unidade federada, a
    condição de pobreza afetava nada menos que 5 milhões de pessoas.

    Haverá, talvez, quem ainda questione se a concentração de renda não favorece o
    crescimento, por estimular a poupança e o investimento, uma vez que as camadas populares,
    tendo sua renda aumentada, não conseguem poupar tanto quanto as elites. Outros teóricos
    dirão que, no médio prazo, não havendo incremento da demanda, os investimentos estarão
    fadados ao insucesso, visto que não temos ainda competitividade bastante para exportar em
    larga escala.

    Essa discussão, Senhoras e Senhores Senadores, pode atrair economistas e burocratas,
    mas para nós está ultrapassada. Afinal, se não vai democratizar as oportunidades e
    estender seus benefícios aos grandes contingentes populacionais, o crescimento econômico
    não se justifica.

    Por outro lado, insisto, repito, os meninos de rua, o desemprego, as filas nos
    hospitais, a violência que não conhece limites e que mata prematuramente nossos jovens
    estão a evidenciar a necessidade de uma efetiva ação contra a pobreza e a exclusão
    social.

    Até quando faremos de conta que não estamos vendo os menores, empurrados para a
    delinqüência, e que compõem um quadro triste e revoltante em todas as grandes cidades
    do país? São os "nossos guris", para os quais Chico Buarque chamou a atenção
    com sua poesia irônica, humana e magistral.

    Para isso, é preciso acreditar no poder de mudar as estruturas sociais, tarefa
    hercúlea, é verdade, mas não impossível. Nosso povo, participativo, consciente e, mais
    que tudo, extremamente solidário, é o maior trunfo de que dispomos.

    E um exemplo de que isto é possível, é a experiência positiva, no Distrito Federal,
    do governador Cristóvão Buarque, com a Bolsa Escola. Não vou desperdiçar tempo em
    contestar aqueles que me criticam de maneira preconceituosa, sem apresentar alternativas
    ou caminhos que possam solucionar ou minimizar os graves problemas decorrentes da pobreza
    e da fome. Prefiro ficar com o embaixador Rubens Ricupero, quando afirma, em matéria
    publicada na Folha de São Paulo de lº de agosto passado:

    " Antes tarde do que nunca: é bom que finalmente o maior problema brasileiro
    entre para a agenda nacional. Não é tão encorajador que o debate ameace resvalar para o
    estéril domínio pessoal e se caracterize muito mais por confusão e recriminações que
    conhecimento de causa."

    E cumprimento o economista José Márcio Camargo quando aborda aspectos relevantes à
    análise de nossa situação social, manifestando-se, em seu artigo publicado pela revista
    Opinião, de 29/7/99:

    " O Brasil gasta, todos os anos, 21% do PIB nos setores sociais… se o país
    gasta tantos recursos nesses setores, e a necessidade de recursos para eliminar a pobreza
    é tão inferior a este total, por que a pobreza não é eliminada? Simplesmente porque os
    recursos gastos nas áreas sociais são apropriados pelos não-pobres e não pelos
    pobres."

    Em editorial, a Folha de São Paulo teceu comentários que valem ser
    relembrados, até pela anterioridade em relação a este meu pronunciamento. De acordo com
    a opinião daquele jornal, em 22 de setembro de 1998 "foi lançado o programa de
    renda mínima no âmbito federal. Trata-se de um plano de complementação de renda para
    famílias pobres, com crianças na escola. O projeto foi aprovado no final de 97, pelo
    Congresso, e resgatado pelo Governo Federal durante a maré baixa das pesquisas
    eleitorais, em junho.

    O programa é de alcance modesto… Mesmo que limitada, tal iniciativa pode ser a
    base de um debate sobre como podem ser obtidos os recursos para ampliação do
    programa…. Mas não é admissível que cerca de 30% das famílias sejam pobres, não
    tenham recursos para comer adequadamente e permaneçam sem assistência decente.

    E conclui a mesma Folha de São Paulo:

    LEVARÁ TEMPO PARA QUE POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO, ORA INEXISTENTES, DÊEM CONTA DE
    INCLUIR NO MERCADO NACIONAL POPULAÇÕES HISTORICAMENTE À MARGEM DA ECONOMIA. É
    NECESSÁRIO NESSE INTERIM, UM PLANO DE ASSISTÊNCIA. TRATA-SE DE UMA TAREFA QUE COMEÇA
    COM AS REFORMAS TRIBUTÁRIA E FISCAL E CONTINUA COM DECISÕES POLÍTICAS SOBRE COMO
    DISTRIBUIR MAIS EQUANIMEMENTE OS FUNDOS PÚBLICOS, MAS É UMA TAREFA PARA ONTEM."

    É a Folha de São Paulo quem reconhece a necessidade de um plano urgente de
    assistência aos pobres e miseráveis.

    Em outro editorial, a mesma Folha de São Paulo assim conclui seu pensamento:

    "A opinião dominante, repita-se, é que pouco haverá a oferecer além de
    paliativos enquanto o país não crescer. Mas o país cresceu por décadas, cresceu mesmo
    nos primeiros anos do presente governo, e a distribuição de renda não melhorou.

    Enquanto isso, nada de transferência de renda, nada de solidariedade social, pois,
    a longo prazo, o crescimento sustentável dará conta dos famintos, ignorantes e doentes.
    A longo prazo, porém, eles estarão mortos, e mortos depois de muito sofrimento."

    O Ministro da Fazenda, meu ilustre amigo, manifestou-se pela inviabilidade da Proposta
    de Emenda que ora submeto à apreciação da sociedade. Declarou que não se resolvem
    assuntos dessa ordem com uma simples canetada.

    —Ministro, nem que seja com canetada!

    Por menos nítidas que lhe pareçam as cores desse quadro de miséria, alguém tem que
    se mostrar sensível a uma realidade que nos exige uma ação pronta e eficaz. Aliás,
    para aferir a situação de pobreza, eu perguntaria ao meu querido amigo Ministro Malan
    se, em 5 anos de governo, ele recebeu um pobre em seu gabinete? E mais, quantos foram lá
    para falar de enriquecimento, esquecidos da obrigação de diminuir a pobreza?

    Mas não são essas as características da nossa gente, o povo brasileiro é
    autenticamente solidário, e esse sentimento ficou demonstrado quando o sociólogo Herbert
    de Souza, "Betinho", com sua tenacidade, o convocou em 1993 para desencadear um
    movimento social de dimensões nunca antes alcançadas: a "Ação da Cidadania contra
    a Miséria pela Vida", que se tornou conhecida popularmente como "Campanha da
    Fome".

    A verdade, Senhoras e Senhores Senadores, é que os governantes sozinhos, sem o
    engajamento popular, jamais conseguirão extinguir os grandes bolsões de fome e de
    miséria. Apesar da pobreza em que vivem milhões de brasileiros, temos condições
    excepcionais para promover um grande mutirão que, acima de quaisquer ideologias e de
    interesses menores, nos leve a duradouras mudanças.

    Propostas existem, e muitas, e boas. O desejo do Governo de encontrar soluções
    existe. Agora temos que passar do desejo para a realidade pela nossa vontade, pela nossa
    coragem e pelo nosso espírito de solidariedade. Nessas circunstâncias, e com essa
    convicção, é que trago à apreciação deste Plenário a Proposta de Emenda à
    Constituição que cria o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza.

    Objetiva erradicar a pobreza no Brasil, num prazo de dez anos, por meio de ações
    suplementares que venham a melhorar as condições de vida das populações carentes e, ao
    mesmo tempo, promover uma transferência de renda que venha a reduzir o abismo hoje
    existente entre a elite e os segmentos mais pobres. Temos condições de atender,
    simultaneamente, os objetivos de curto e de longo prazos no combate à miséria, por meio
    de instrumento fiscal, que possibilita intervir na estrutura social, sem descurar das
    medidas de emergência que a situação impõe.

    As receitas do Fundo serão formadas por parcelas de tributos diversos, podendo
    assegurar recursos da ordem de seis a oito bilhões de reais por ano.

    A propósito dessas receitas, tenho visto comentários os mais diversos e algumas
    críticas prematuras. Evidentemente, iniciativas dessa natureza, e de tão longo alcance,
    não estão imunes a críticas. Entendo que eventuais críticas não a
    invalidam—antes, podem somar para aperfeiçoá-la, excetuadas aí, naturalmente,
    aquelas reparações precoces e mal fundamentadas.

    Diz-se, por exemplo, que o uso de recursos oriundos do Fundo de Estabilização Fiscal
    (FEF) implicaria a redução das verbas destinadas a áreas como Saúde e Educação. Ora,
    Senhoras e Senhores Senadores, é do conhecimento geral que o FEF não está sendo
    direcionado exclusivamente para os programas sociais, como se pretendia, conforme
    constatou o TCU, no exame das contas do exercício de 1998. Seus recursos, em grande
    parte, se perdem na burocracia, enquanto esta proposta devolve aos municípios os recursos
    retirados pelo tributo.

    Quanto aos 3% que viriam do Imposto de Importação, alega-se que poderiam reduzir o
    montante dos investimentos federais. Ora, haverá melhor investimento do que combater a
    pobreza e exclusão social, melhorando, por conseguinte, os níveis de demanda interna? É
    bom atentar, igualmente, para o fato de que esse tributo, muito mais do que engordar a
    arrecadação, visa a controlar a entrada de mercadorias estrangeiras no País. Dada a
    grande quantidade de bens de luxo taxados por esse tributo, a vinculação prevista na
    proposta que trago à apreciação dos nobres colegas configura, exatamente, a
    transferência de renda que tanto apregoamos.

    A parcela de 20% dos recursos destinados pelo PIS/PASEP ao BNDES, que é um patrimônio
    do trabalhador e que passariam a formar o Fundo, é exemplar. Diz-se que a ação do BNDES
    é fundamental para a geração de novos empregos, mas o financiamento das
    privatizações, até o momento, não tem resultado em efetiva geração de postos de
    trabalho. Além disso, em que pese a necessidade de gerar empregos, não se pode descurar
    da própria sobrevivência do trabalhador brasileiro.

    Algumas das críticas recentes são voltadas para o adicional de 10% no Imposto sobre
    Produtos Industrializados e sobre serviços de luxo a serem definidos na regulamentação
    da lei, bem como no IPI sobre fumo e bebidas. Essa taxação, atingindo setores restritos
    da economia, afetaria somente os produtores e consumidores de produtos e serviços
    supérfluos, vale dizer, pessoas de alto poder aquisitivo. Com relação ao fumo e às
    bebidas alcoólicas, não custa lembrar que esse gravame é uma tendência mundial, dado
    os malefícios por eles ocasionados à saúde.

    Não custa lembrar, igualmente, que os tratamentos de cirrose ou de enfisema custeados
    pelo Ministério da Saúde são caríssimos, desviando-se, para eles, recursos que
    poderiam salvar milhares de gestantes e de recém-nascidos. Senhoras e Senhores Senadores,
    poderia enumerar mais algumas dezenas de motivos que justificam a formação do Fundo
    de Combate e Erradicação da Pobreza. No entanto, reafirmo que, em hipótese
    alguma, tive a intenção de fazer desta proposta uma obra acabada.

    Antes, quero estimular o debate enriquecedor, provocar os diversos grupos sociais a
    contribuírem com suas idéias para que o Fundo, de fato, se torne obra não de um Senador
    ou do Congresso, mas, do povo brasileiro. Não faço questão de ser o seu autor. Desejo
    que todos os Partidos com ela colaborem.

    No esboço do projeto de Lei Complementar, que será apreciado após a aprovação da
    Proposta de Emenda que hoje apresento, idealizo a constituição de um Conselho Gestor do
    Fundo, sem qualquer traço de política partidária. Entretanto, argumentos ponderáveis,
    inclusive de que as maiorias sempre fazem os dirigentes do país e das Casas do Congresso,
    levam-me a acolher outras sugestões de modelo, no momento adequado.

    Mas, que aqui fique registrado que a presente Proposição suscitou no País um
    movimento conscientizador que não lhe permite sair da pauta antes de uma solução para o
    problema da pobreza. Ao trazer minha modesta contribuição a este Plenário e ao cenário
    nacional, ocorre-me que um único aspecto, em toda a proposta, não pode, absolutamente,
    ser modificado.

    Trata-se da atuação conjunta do Poder Público com a sociedade civil. Só essa
    interação será capaz de compensar eventuais falhas ou descréditos dos entes públicos.
    A efetiva participação da comunidade, principalmente através das organizações
    religiosas, não apenas consolidará a nossa democracia, como fará, de milhões de
    brasileiros, hoje excluídos, verdadeiros cidadãos.

    Já temos exemplos de êxitos, bastando citar, entre alguns, o do Programa Comunidade
    Solidária, presidido com seriedade por Dona Ruth Cardoso.

    Reitero. Que tudo seja analisado sem preconceitos. Não posso terminar sem reiterar que
    é indispensável, nessa soma de esforços, a colaboração do Governo e dos que detêm a
    riqueza sem enxergar um quadro social que perturba a todos, principalmente os mais fortes
    economicamente.

    O combate à pobreza exige a participação de todos os recursos disponíveis: o
    individual e o comunitário, o público e o privado, o local e o nacional. A luta
    solidária de todos é absolutamente necessária para a constituição de uma sociedade
    mais decente e mais humana. O projeto não pretende atingir qualquer ente da Federação
    em sua arrecadação fiscal. Pelo contrário, à medida que se erradica a pobreza,
    reduzindo-se o número de pobres e excluídos, maior será a participação dos cidadãos
    na arrecadação de impostos, tendo em vista o seu ingresso na sociedade como
    contribuintes.

    Portanto, conclamo a todos, sem exceção, a colaborar, por obrigação ou
    voluntariamente, para que, dentro em pouco, possamos modificar o quadro tão desfavorável
    e triste, que diminui o nosso País, e nos envergonha perante o mundo.

    Juntem-se as idéias!

    Formulem-se sugestões.

    Vamos encontrar um denominador comum.

    Não se admite mais o silêncio, a omissão, o desinteresse em matéria de tal
    relevância.

    Muito obrigado!

    Send
    your
    comments to
    Brazzil

    • Show Comments (0)

    Your email address will not be published. Required fields are marked *

    comment *

    • name *

    • email *

    • website *

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

    Ads

    You May Also Like

    Brazil's poultry cooperative Aurora

    The Good Life of a Brazilian Chicken While Search Goes on for Super Bird

    It eats little and gains weight quickly, it has large breasts and legs, is ...

    Less than 3% of Brazil’s 180,000 Public Schools Have a Computer

    Approximately 100 parliamentarians of over 20 countries participated this Monday, June 6, in the ...

    IACHR

    Press Association Wants Punishment for Killers of Brazilian Journalists

    The IAPA (Inter American Press Association) seeks to end impunity for killers of two ...

    Brazilian Movies and the Joy of Killing

    Films which make a spectacle of violence make difficult the discussion which they intend ...

    Imported machinery in Brazil

    Brazil’s Trade Surplus Falls 64% in 2008 Due to Cheap Dollar

    Brazil's balance of trade (exports minus imports) ran a surplus of US$ 260 million ...

    Industry Gets Lion Share of Brazil’s Development Bank

    The Brazilian Development Bank (BNDES) spent US$ 3.7 billion in loans in the first ...

    Tupinambá Indians in Bahia, Brazil

    Brazil: Bahia’s Elite Preventing Indians from Getting Land

    The torture case of five Brazilian Tupinambá Indians in the state of Bahia, in ...

    Rio (Brazil) Reaches 400 (Natural) Gas Stations

    With 400,000 thousand vehicles powered by natural gas (nation’s fleet total around 1 million ...

    São Paulo, Brazil, stock market, the Bovespa

    Foreign Investors Flee Brazil’s Stock Market

    Brazil's stocks partly recovered (0.16%) on Friday, July 4, after their worst week in ...

    Brazilian Micros Get a Larger Share of Exports

    Brazil’s micro and small firms are picking up space on the international market. Between ...